A escolha

20 Jan

Ontem fui ao cinema com meu marido assistir a um filme que até então, não havia ouvido falar e nem visto o trailler! Simplesmente confiei na escolha feita por ele e fomos! Meu marido todo empolgado dizia: "você vai adorar! O trailer é bom. Bem no estilo que você gosta!" Maravilha...

Se chama A ESCOLHA e está em cartaz atualmente em dois horários no cinema que fomos. Optamos pela última sessão (sabiamente porque assim não assustei as pessoas do shopping com minha cara de quem havia acabado de participar de um velório, de tanto que chorei).

É um romance do mesmo autor de Diário de Uma Paixão e é baseado no romance do autor Nicholas Sparks. Conta a história de Travis, que tem uma vida confortável, um bom emprego, amigos leais e uma casa em pequena cidade costeira. Ele busca em seu dia a dia viver plenamente e acredita que um relacionamento sério limitaria o seu estilo de vida. Isso até que Gabby se muda para a casa ao lado. Mesmo que ela tenha um namorado, a moça o instiga logo de cara e faz com que os dois se entreguem a uma relação que nenhum deles esperava.

Por que resolvi contar isso aqui? Não foi para falar da história do filme em si, até porque seria muito mais emocionante vocês mesmos irem comprovar pois de fato vale a pena (para aqueles que gostam de um lindo e melado romance). O que eu gostaria de abordar é a essência desse contexto: NOSSAS ESCOLHAS!!!

O filme começa com uma afirmação super verdadeira e até mesmo óbvia: ALGUMAS ESCOLHAS PODEM MUDAR O MUNDO! Antonny Robbins diz em su livro Desperte Seu Gigante Interior que no instante em que é tomada uma nova decisão, entra em movimento uma nova causa, efeito, direção e destinação para a sua vida. Literalmente, você começa a mudar sua existência no momento em que faz uma nova escolha!

Todo caminho que tomamos nos leva para uma nova escolha. As vezes ficamos indecisos motivados pelo medo das consequencias de nossas decisões. Em alguns momentos da vida, chegamos ao ponto em que, precisamos optar por nos proteger ou colocar nosso coração em jogo!
É colocar em jogo o arriscar escutando as vezes aqueles que mais amamos ou optar por seguirmos o caminho de todos os outros.

Cada escolha que fazemos vai moldando a pessoa que somos e criando uma nova realidade. E depois do filme de ontem, passei a apreciar ainda mais essa palavra: ESCOLHA! Entendi que até mesmo quando não escolhemos, ainda assim, estamos fazendo nossa opção. E isso é também uma escolha.

Será que isso é mesmo verdade? Tudo o que nos acontece foi anteriormente escolhido por nós? Não podemos acreditar que fomos nós quem escolhemos de fato. E as tristezas, decepções, angústias, doenças, pobreza? Nós jamais viveriamos assim.

Pois é...eu entendo você pois pensava assim também.

A forma como fomos criados, as experiências que tivemos, os conselhos que recebemos, as circunstâncias da vida, podem nos conduzir a lugares indesejados. Mas cabe a nós corrigirmos essa rota, não importa o tempo que leve.

É claro que as consequências externas são reais e muitas vezes não é possível prevalecer aquilo que desejamos. Outras vezes precisamos abdicar de coisas importantes para abrir passagem ao interesse do outro. Isso é HUMILDADE! Afinal de contas, quem foi que disse que escolher significa fazer prevalecer a própria vontade?

Provavelmente quando usamos nosso poder de decisão de maneira egoísta e orgulhosa atraímos reações opostas às que gostaríamos. Ao submeter nossa escolha a qualquer custo, poderemos promover descontentamentos e resistências. Então, escolher não é impor nossa vontade pensando unicamente naquilo que nos favorece, portanto, sempre que estivermos diante de uma situação em que necessite escolher, pense bem: nós temos o poder da escolha já que fomos programados com o livre-arbítrio, ou seja, somos livres para escolher. Falando ou calando estamos sempre escolhendo e teremos que conviver com nossas escolhas sempre.

Podemos nos arrepender pelo resto de nossas vidas por deixarmos de escolher. É preciso nos recordar de que somos responsáveis também por nossas omissões.

Na dúvida, eu ouço sempre o meu coração e sigo minha própria orientação interna (intuição), considerando que sempre há um caminho a se percorrer, que pode ser de luz ou de escuridão.

Seja qual for a escolha, depois de decidirmos, não temos que olhar mais para a outra direção, e sim, deixar para trás o que poderia ser diferente. Sempre poderemos recomeçar...nada é definitivo, embora muitas vezes insistimos e investimos em enganos que nos desviam da nossa rota.

Agora, como saberemos escolher o que é melhor para nós diante de tantas possibilidades?

Saber fazer a escolha certa é sinal de sabedoria. Muitas vezes nos acontecem coisas que não queremos para aprendermos a viver melhor. Isso passa...e nos torna mais experientes. Lidar com nossas emoções, desenvolver a consciência dos nossos atos e nos autoconhecer também ajuda.

Não somos sozinhos, portanto, tudo o que escolhemos gera consequências para nós e ao nosso redor. E a grande lição do poder da escolha é essa: o que fazemos não passa despercebido, mas afeta a nós e a outras pessoas também.

Escolher adiar ou encurtar o caminho para viver feliz!

Agir por impulso, agredir, ofender, desrespeitar, mentir, corromper...tudo isso adia a conquista de uma vida com sentido. A retribuição disso são sentimentos de desilusão, angústia, tristeza, dor e infelicidade. Ter atitudes de respeito, contribuição, cooperação, amor, amizade, tolerância e gratidão encurta a estrada alcançando mais rapidamente a alegria de viver que buscamos.

O que mais me chamou atenção no filme, além do poder existente em nossas escolhas foi quando os protagonistas se perguntaram em que cada um acreditava! Ele prontamente descreveu que tudo em sua vida era norteado pelo amor e pela lealdade e que era só nisso que ele acredita! Já ela disse acreditar em Deus e numa sensação boa de que é parte de algo muito maior. Algo que ela mesmo nunca entenderia.

Cada um escolheu em que embasar suas decisões. E você? Quais são os valores que norteiam suas escolhas? Você tem clareza disso? Na história, ele tem uma difícil decisão a tomar em que, são seus valores que definem a escolha que fez...
Em que você acredita e que faz a diferença na hora das suas maiores decisões?

Escolha...

Juliana Rassi

Formada em Administração de Empresas pelo UNISEB e especialista em Desenvolvimento Humano de Gestores pela FGV, Juliana é coach certificada e membro do ICF, honrando, atuando e partilhando do código de ética regido por esta que é uma das mais respeitadas instituições regulamentadoras de Coaching no mundo, desde 2012 com certificações em personal, professional e executive coaching

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Av. D, esquina com Rua 9, nº 419, Ed. Comercial Marista, 4º Andar, Setor Marista, Goiânia - GO
Uncopyright - Todo o conteúdo deste site está no domínio público. Abro mão de quaisquer direitos de uso sobre meu trabalho. Se você quiser usar meu conteúdo, não se preocupe em me escrever pedindo permissão. Aqui está ela: use como quiser, mande para os amigos, imprima e cole por aí, copie no seu blog ou site à vontade. Se puder colocar os créditos e link para o meu site, fico agradecida. Mas não exijo isso. Meu objetivo é transmitir estas mensagens para o maior número de leitores possível, então, estou desapegando – dentre tantas outras coisas – dos meus direitos.